Alô, Chics!

R$ 30 por uma vida

. Meio quilo de sorvete: R$ 35
. Conserto do salto de um sapato: R$ 28
. 1 Caixa de Tylenol: R$ 23
. A vida de uma criança: R$ 30

Quando eu vi na televisão que os MSF (Médicos sem Fronteiras) estavam pedindo a contribuição de R$ 30 para salvar a vida de alguém, levei um baque depois de ter pago um pouco mais do que essa quantia por meio quilo de sorvete.

Esses médicos são inacreditáveis: estão nos lugares onde existem as piores condições de vida e de doença, lutando para dar aos flagelados um pouco de conforto e de saúde.

São médicos do mundo inteiro que vão , voluntariamente, trabalhar em regiões de enchentes, furacões, tsunamis, terremotos e pestes – pessoas abnegadas dispostas a arriscar a vida por um sentido de solidariedade e de dedicação. Gente de primeira qualidade.

Vou já ligar para o 0800 941 0808 e dar minha contribuição.
É o mínimo que se pode fazer para depois, então, poder encarar um sorvete ou um Tylenol. 

Médicos Sem Fronteiras
www.msf.org.br

Gloria Kalil

Enviar por E-mail

Deixe seu comentário

Enviar por E-mail

Jazz com Zuza

Alô, Chics!

Por mais que não se queira, ou perceba, a vida profissional acaba ocupando grande parte do nosso tempo e da nossa atenção. O interesse da gente se concentra naturalmente em assuntos ligados à nossa atividade cotidiana.

Por isso foi com a sensação de estar de férias, ou de estar gazeteando o trabalho, que me inscrevi para um cursinho sobre o Jazz na Casa do Saber.

Não sei nada sobre o assunto, embora ame ouvir esse gênero de musica. O curso de três aulas foi dado pelo Zuza Homem de Mello, uma das pessoas que mais sabe sobre música no Brasil. Zuza é um superprofessor e tem uma gigantesca coleção de vídeos de tudo o que tem de melhor na música brasileira e americana.

Foi uma delícia e aconselho a todos que fiquem de olho nos jornais – apareceu um curso de música do Zuza (ou do Zé Miguel Wisnik), vocês não percam porque é um adianto na vida: você aprende, amplia os espaços mentais e se diverte. Quer melhor?

Gloria Kalil

Enviar por E-mail

Deixe seu comentário

Enviar por E-mail

Roupa de luto

Alô, Chics!

Abriu no Costume Institute do Museu Metropolitan de Nova York uma grande exposição sobre a moda apropriada e pensada para enterros e todas as fases do luto desde 1815.

O hábito de se vestir de preto como sinal de tristeza começou no século 19 e veio até bem recentemente, lá pelos anos 1950. Aos poucos a informalidade foi tomando conta do comportamento humano no mundo todo e o hábito de se usar luto foi sendo deixado de lado.

Mas nem por isso um mínimo de cuidados deve ser observado em velórios, enterros e missas de sétimo dia. Nada de cores fortes e brilhantes ou looks muito desabados como jeans furados, regatas, leggings ou roupas de academias. Sinal de solidariedade com a família e respeito pelo morto.

Veja a seguir um preview da exposição:





Gloria Kalil

Enviar por E-mail

Deixe seu comentário

Enviar por E-mail

Oscar de la Renta: um link com a alta-costura

Alô, Chics!

Morreu Oscar de la Renta e com ele o único link que a moda americana tinha com a alta-costura.

Como se sabe, Oscar saiu ainda muito jovem da República Dominicana onde nasceu, para estudar em Madri. Acabou trabalhando com Balenciaga com quem aprendeu a ver a moda do ponto de vista da alta costura, suas técnicas e suas exigências.

Esse aprendizado, Oscar levou para sua vida e para sua marca quando instalou-se definitivamente em Nova York. Nenhuma outra grife ou nenhum outro estilista americano tem este conhecimento; são todos ligados à indústria e ao prêt-à-porter.

Vamos ver que rumo a empresa vai tomar agora que ele se foi.

+ RELEMBRE MAIS SOBRE A CARREIRA DE OSCAR DE LA  RENTA

Gloria Kalil

Enviar por E-mail

Deixe seu comentário

Enviar por E-mail

Como vai ser o inverno de 2015?

Para marcar suas preferências e apontar suas apostas, a revista Elle promoveu um lindo desfile no terraço do Shopping JK. O lugar não pode ser mais bonito: um grande salão envidraçado com a cidade de São Paulo iluminada ao fundo; neste cenário a equipe de moda da Elle mostrou 6 looks de 10 das nossas principais marcas que, na opinião da revista, serão os pontos alto do inverno do ano que vem.

Ellus, Reinaldo Lourenço, Osklen e Eduardo Pombal na Tufi Duek optaram pelo preto, Giuliana Romanno pelo azul marinho; Patricia Viera, além do preto, entrou nos cinzas escuros enquanto Vitorino Campos misturou preto ao azul e ao verde e Andrea Marques veio de estampados com tons de rosa. Coven e Alexandre Herchcovitch entraram com cores. Pela amostra, teremos um inverno bonito e variado.

Pontos altos:

1. Os pretos da Ellus realçados pelo brilho do verniz



2. O trabalho de renda sobre a lã de Vitorino Campos



3. A mistura de materiais de Giuliana Romanno



4. O macacão iluminado por cristais de Reinaldo Lourenço



5. A costura cruzada de Eduardo Pombal para a Tufi Duek



6. A graça total da modelagem, das cores e dos motivos indígenas da Coven



7. O show de moulage no látex usados pelas mais lindas modelos do Brasil de Alexandre Herchcovitch



8. As estampas de Andrea Marques



9. O couro rendado de Patricia Vieira



10. O esporte luxuoso da Osklen

 

VEJA OS DESFILES

. Alexandre Herchcovitch
. Andrea Marques
Coven
. Ellus
. Giuliana Romanno
. Patricia Viera
. Osklen
Reinaldo Lourenço
. Tufi Duek
. Vitorino Campos

 

 

Gloria Kalil

Enviar por E-mail

Deixe seu comentário

Enviar por E-mail

Musas do Verão

Já que não tivemos inverno, já comecei a fazer a lista das minhas Musas do Verão em plena Primavera.

Vai ser difícil bater as minhas duas primeiras eleitas: as gostosésimas atemoia e kiwi dourado. Conhecem? São frutas; daquelas que até pouco tempo atrás não se achava com facilidade, nem em feiras nem em supermercados.

A atemoia (à esquerda, na foto) é da família da pinha, da graviola, e é uma cucaracha, pois tem origem na América Latina, enquanto que o kiwi dourado é uma invenção, um híbrido criado na Nova Zelândia.

Pois para mim eles parecem ter sido inventadas no céu, tão boas que são. Nada se iguala à massa cremosa e exótica de uma atemoia que pode ser comida com colher quando está madura. Chega a arranhar a garganta, tão doce que é, apesar do acidinho que tempera e equilibra o sabor.

Quando for experimentar o seu kiwi dourado, deixe que ele fique bem macio antes de comer; quanto mais, melhor. Eu costumo colocar as duas na geladeira por meia hora antes de servir -o sabor fica ainda mais refinado. Experimentem e depois me digam se existem musas mais gostosas do que estas?

Beijos,

Gloria Kalil

Enviar por E-mail

Deixe seu comentário

Enviar por E-mail

»Notícias Anteriores