Alô, Chics!

Sábado em São Paulo

Alô, Chics!

New York Times sai todo final de semana com uma crônica muito simpatiquinha chamada "O que novaiorquinos fazem aos domingos". Nela, moradores mais ou menos conhecidos contam como pasam seu dia de folga na cidade. Me deu vontade de fazer o mesmo e descrever para vocês meu sábado chuvoso em São Paulo, uma cidade tão cheia o que fazer que a gente às vezes nem sabe por onde começar.

10h: saio de casa a pé (apesar da chuva) e vou até o Cinesesc na rua Augusta pra ver um documentário sobre a artista plástica Maria Martins, dirigido pelo Kiko Martins e co-dirigido e produzido por uma amiga, a Elisa Gomes.

11h: me encontro com Eduardo Viveiros na porta e entramos. Sala cheia.


Pensando sobre Maria Martins no Cinesesc e com Eduardo Viveiros na casa by Rino Levi

12h: termina o filme. Estou encantada e perturbada com a força da obra desta mulher, da coragem dela em levar a vida pessoal com achava que deveria ser e com a dificuldade que teve em ser tomada a sério por conta do machismo, dos preconceitos e do formalismo da época, entre os anos 1940 e 1960.

13h: vamos de Uber até a Galeria Luciana Brito para ver a pulseira que uma de nossas melhores artistas, Regina Silveira, desenhou. A galeria é numa linda casa no final da Nove de Julho, um projeto dos anos 1950 de Rino Levi, arquiteto modernista. Um dos grandes. Vale uma visita a qualquer momento.


Jacques Rodrigues, da Talento, ao lado de Luciana Brito, Waldick Jatobá e Regina Silveira - com sua joia!

14h30: chove ainda bastante. Espero que a danada da Guarapiranga esteja satisfeita. Vamos agora para a Feira de Arte no Hotel Unique. Lá, trinta e poucos expositores mostram seus melhores artistas e suas melhores obras. O Di Cavalcanti que uma galeria uruguaia mostrava era uma pintura inédita aos olhos do público brasileiro. Tinha sido pintada em 1952 a pedido do fabricante dos colchões Probel, tanto que há vários colchões voando no fundo do quadro. Por incrível que pareça, é espetacular! Ô merchan chique!


O tal Di Calvacanti e Ricardo Trevisan, da Casa Triângulo, no seu estande ultracolorido na Feira de Arte

18h30: chego em casa, tomo um cafezinho, dou um respiro e já saio com amigos para o Tupi or not Tupi, na Vila Madalena, assistir a um show de música brasileira com a Monica Salmaso e o conjunto Terra e Vento.


No palco, Monica e os músicos do Terra e Vento

21h: música boa, comidinha boa, bebida idem. Saímos bem mais tarde, ainda com chuva e a deliciosa sensação de ter passado o dia só vendo coisas que valeram a pena e acrescentaram um monte na minha cabeça e na minha vida.

 

/system/signatures/2/original/assinatura-gloria-kalil.gif